Home CULTURA Diversos Galeria Bangu by Shun fala de saúde emocional com arte

Galeria Bangu by Shun fala de saúde emocional com arte

0

Inaugurou recentemente a primeira galeria de artes dentro do Bangu Shopping, zona oeste do Rio de janeiro. A Galeria Bangu by Shun é um projeto do shopping e do Léo Shun artista plástico responsável pelo espaço de cultura. Contabilizando mais de cinco mil visitantes a exposição Difusão do imaginário segue exibindo obras inéditas. O trabalho é composto por painéis de graffiti, telas, esculturas e instalação interativa. Possuindo obras de cunho emocional a Galeria Bangu by Shun visa fomentar a cultura, no entanto exibir belas artes é o último dos objetivos. Pois a prioridade do espaço é propor uma reflexão sobre o poder da arte em transformar, no caso o tema abordado nessa exposição destaca a importância do que é real e do que é fantasia, propondo uma reflexão sobre como lidar com as emoções desde a felicidade a dor, como encontrar e identificar a felicidade ainda que esteja num momento de dor, e como lidar com os percalços da vida.

A arte está completamente ligada a emoção. Ela conversa, esclarece, revela, transforma… A arte é viva!” Declara o artista.

O muralista Léo Shun é ousado em sua forma de compor suas pinturas, o mesmo retrata a felicidade em diversas artes, ele mostra o seu ponto de vista particular de como a felicidade pode ser acessada inclusive num momento de dor. Uma das pinturas de maior sucesso chama-se Recomeço, uma menina linda que chora ao dançar, a personagem ressurge da própria dor e usa a dança como um símbolo da alegria e luta para seguir rumo ao recomeço. Com traços e cores delicados a menina olha para um ponto fixo como se enxergasse a esperança e a felicidade. O artista entende que buscar esse ponto de vista na dor é difícil, porém recompensador. Outra arte em que o artista questiona a saúde emocional e os efeitos do cuidado com ela é o Amor não morre, onde Shun cria uma escultura de cola e pregos formando um coração ferido que continua a pulsar e contagia os pregos que o feriram. Com cores bem alegres essa obra destaca o amor forte, capaz de se regenerar e curar aquele que não tem amor e por isso se desespera e ataca.

O tema central da minha obra é a felicidade. Desde sempre.” Afirma Shun

A exposição Difusão do imaginário conta com outras obras que visam questionar a ligação entre o real e o imaginário que incluem sentimentos como a felicidade e a dor, o entendimento do próprio eu, entre outras questões que estimulam a importância  do cuidado com a saúde emocional. Difundir o imaginário é enxergá-lo como algo ilimitado, afinal é no imaginário que nasce a realidade, logo não há distinção entre os dois e sim uma relação de desenvolvimento e continuidade, assim como é na arte.

A curadoria foi desenvolvida por Lorena Crist, artista, pedagoga e jornalista que junto com o artista plástico e grafiteiro Léo Shun pensou em cada detalhe da exposição desde a escolha das obras à descrição de cada uma individualmente. O conceito da exposição consiste em desmistificar a arte urbana e mostrar de perto tudo o que permeia a vida do muralista Léo Shun. A exposição é dividida em quatro módulos que juntos formam uma ligação onde cada obra vai se conectando à outra, os módulos representam as quatro relações essenciais para Shun que são: a relação do ser humano com Deus, consigo mesmo, com as pessoas e com a natureza.

Shun abre sua vida em forma de arte. O artista descreve a sua exposição como um ato de muita coragem, ele afirma que não está expondo somente seus trabalhos, mas sim partes significativas da sua própria vida. Ele revela que a arte sempre o ajudou e o acompanhou, principalmente nos momentos de crise, e que expor suas obras é o mesmo que apresentar uma pessoa íntima, seu melhor amigo, alguém que o ama e entende todas as suas emoções.

A arte deveria acompanhar as pessoas ao longo da vida, independentemente de seguir ou não uma carreira artística, apreciar e se relacionar com ela é importante para o desenvolvimento em todos os sentidos, pois nos sensibiliza e nos permite extravasar, exprimir tudo o que sentimos, se colocarmos para fora os nossos sentimentos podemos conseguir discerni-los e entendê-los para assim lidar melhor com os efeitos que eles podem causar na vida”. Afirma a curadora Lorena Crist

A Galeria Bangu by Shun apresenta um pouco das emoções e sentimentos do artista que se encontram com os olhares e as emoções dos visitantes, essa conexão é fundamental para aproximar o público da arte, pois muitos dos visitantes declararam estar entrando pela primeira vez em uma galeria de artes. Visitar uma galeria é um programa que alimenta aquele que se dispõe a absorver as mensagens contidas nas obras e nas expressões artísticas. Cada pessoa reage as artes de forma bem particular, os depoimentos são muitos, uns parabenizam, outros incentivam, uma das visitantes disse que Shun conseguiu dar vida e materializar tudo o que sentia.

A proposta do tema Difusão do Imaginário é justamente questionar o que é real e o que é fantasia. Se a fantasia e o real nascem no nosso imaginário, o que os diferem então? Qual influência a fantasia tem no que é real? E o que acontece quando a fantasia difundi com a realidade? Será que a forma como se enxerga o real pode atrapalhar o despertar da fantasia?

Enquanto pedagoga acredito que se a pessoa não se enxergar livre aqui fora, no que diz respeito a realidade, talvez ela demore para descobrir o lado lúdico da vida. As crianças precisam ter acesso a arte e a família precisa estimular esse processo, uma sociedade sensível artisticamente se desenvolve e se humaniza, a pessoa que é capaz de se relacionar bem com as questões internas, tem maturidade para ser um adulto feliz e equilibrado. Não é uma coincidência a arte ser recomendada também como terapia, ela é capaz de nos tocar, transformar, emocionar. A lista de tudo o que ela é capaz de nos proporcionar é muito extensa.” Afirma Lorena Crist

 Para conhecer mais sobre o artista e grafiteiro Léo Shun é só visitar a Galeria Bangu by Shun e apreciar as diversas artes apresentadas, entre elas obras interativas. É possível acompanhá-lo também através das redes sociais Léo Shun e Shun Graf (suas páginas no Facebook) @galeriabangubyshun @shungraf e @leoshun_rj (Instagram), e no site da sua empresa www.shungraf.com

Fotos e texto – Lorena Crist.

Veja mais artigos
Load More In Diversos

Verifique também

Bailarinos do Brasil e da Eslováquia convidam para estreia de vídeodança

Gabriela Moriondo é acompanhada por Maicom Souza em coreografia da artista eslovaca Eva Ur…