Home MÚSICA Kell Smith lança o álbum ‘O Velho e Bom Novo’

Kell Smith lança o álbum ‘O Velho e Bom Novo’

0

Em seu segundo disco, a cantora e compositora mergulha em temas como vulnerabilidade, amor, saúde mental e ressignificação do luto, em 12 faixas autorais. Obra resgata técnicas analógicas e abre mão de recursos de afinação artificial

Era uma vez…. Quis o destino que a introdução típica de contos de fada desse nome a uma música que parou o Brasil. Mas foi apenas a primeira página da história de uma cantora e compositora que se prova muito maior. Agora, Kell Smith lança “O Velho e Bom Novo”, pela Na Moral Produções, seu segundo álbum, inaugurando uma nova fase de sua carreira. Com 12 canções autorais, 8 delas em parceria com o maestro e produtor musical Bruno Alves, o disco é um convite poético à reflexão sobre vulnerabilidades, autoconhecimento e amor.

A lado A do álbum, com 6 faixas, chega às plataformas digitais dia 22 de maio. O álbum está disponível através do link: https://ffm.to/ovelhoebomnovo_ladoa. Gravado com equilíbrio entre técnicas analógicas e digitais, “O Velho e Bom Novo” traz a inspiração e a voz de uma artista visceral, única, despida de qualquer recurso de afinação artificial.  É um álbum orgânico como a própria vida.

Concebido como uma obra com lados A e B, o “O Velho e Bom Novo” resgata referências de uma época gloriosa da música brasileira, abraçando temas urgentes, como a saúde mental, depressão e ressignificação do luto. Assuntos que nos unem há gerações, infelizmente ainda vistos como tabus. No entanto, são ainda mais emblemáticos quando vivemos o confinamento, isolamento social e solidão impostos por uma pandemia global.

“Compor é sobre se entregar. É dar voz não só a si. O foco é não perder o foco da música. No fim das contas, a música é o coração de tudo”. Kell Smith

“O Velho e Bom Novo” é sobre a vida real, sem medo de encarar conflitos e feridas. Em cada canção, Kell fala de seus dilemas e também do muito que absorveu, seja na poesia de Paulo Leminski, ou em grupos de Whatsapp com fãs. A artista nos traz pra perto com sensibilidade e compreensão, falando para todos, sem pré-julgamentos.  Sua música é sofisticada e popular, diz também sobre o amor, liberdade e autoconhecimento. Os bastidores das composições e gravações do álbum foram lançados em formato da série documental “O Velho e Bom Novo”, disponível no canal oficial de YouTube da cantora

A vitrola achada no lixo que mudou uma vida

O álbum marca o amadurecimento da artista, que há pouco mais de 5 anos sequer sonhava em subir em um palco. Mas, em 2019, chegou ao topo das paradas de rádios, plataformas de streaming e entrou em milhões de lares através de programas de tv.

Talvez uma das maiores aliadas de sua capacidade de compor seja a vivência. Filha de missionários, Kell morou em todas as regiões do Brasil. Das grandes metrópoles até uma aldeia indígena. E se o artista é retrato do meio, a palheta de Kell tem uma infinidade de tons.

Foi nestas andanças pelo Brasil que, aos 12 anos, Kell teve seu primeiro contato com a música não religiosa. Seu pai a presenteou com uma vitrola achada no lixo e o disco “Falso Brilhante” (1976), de Elis Regina. A poesia de Belchior, Aldir Blanc e a voz inigualável da cantora gaúcha mudaram sua vida. Dez anos depois, o pai lhe disse que “não adianta você ser útil só para a família, você deve ser útil aos que você não sabe o nome”.

Foi a senha para decifrar que a música seria a ferramenta capaz de tocar o outro profundamente. Kell encontrava um ponto de virada, sua vida ganhou um novo norte: levar sua voz ao mundo e transmitir sua mensagem às pessoas.

“Eu sei que a música salva. Ela me salvou de mim. Ela me fez traduzir aquilo que era tão difícil verbalizar, sobre mim, minhas histórias, histórias que não são minhas, mas sei que são tão reais. A música escolhe.”
Kell Smith

Anos mais tarde, em um momento do showbiz quando confundem o artista com produto, em “O Velho e Bom Novo”, Kell Smith trafega na contramão sem pedir licença. Dona de afinamento e polivalência vocal rara, seu trabalho é visceral. Nada de seguir fórmulas prontas, ou botar a voz em letras sob encomenda, feitas a muitas mãos em escritórios de produção em massa, para agradar nichos friamente calculados por departamentos de marketing. O trabalho de Kell é original, por vezes biográfico. Não se trata de números, mas de emoção e sentimento.

Conexão com fãs influencia criação da obra e ajuda a definir repertório

Com 27 anos recém-completos, Kell traz consigo a inquietude e capacidade comunicativa de sua geração. Altamente engajada nas suas redes sociais, mantém uma relação extremamente próxima com aos fãs, para muito além das curtidas e comentários. A interação diária reflete diretamente nas composições da artista, que troca impressões, dialoga e chega a abrir enquetes para sugerirem o tema de suas composições. Foi o caso de “Eu Vou Conseguir, a 5ª faixa de “O Velho e Bom Novo”.

Mas, antes disso, o álbum diz a que veio com “Seja Gentil”, composta após encarar uma crise de ansiedade, a música dialoga sobre amor próprio e autogentileza, com groove marcado por baixo e guitarra. Em seguida, “Camomila” traz um alerta para como manter a calma em meio a correria do dia a dia, com um pé no reggae jamaicano tradicional e outro no pop.

O disco segue na balada “A Terra Firme é Lá”, com a suavidade do piano dando o tom da navegação em um mar de esperança. Em “Vulnerável” as palavras de Kell escrevem as páginas de um diário sobre a importância de assumir a vulnerabilidade, procurar mais leveza e perdoar as próprias falhas.

Logo depois, chegamos à supracitada “Eu Vou Conseguir!”, uma mensagem de força contra a depressão, tema sugerido pelos fãs da artista através das redes sociais. O lado A do álbum se despede com “Carta Pra Você”, que aborda o luto pela perda, em forma de declaração de amor a quem está distante. Triste e bonita, melancólica e cheia de esperança, a faixa nos deixa na expectativa para uma breve chegada do lado B.

“O que nos une é o que nós sentimos. Há sempre um fio divino, mágico, que nos conecta. O mais bonito que eu conheço é a música”.
Kell Smith

Faixas: “O Velho e Bom Novo” –  Lado A – Kell Smith
01 – Seja Gentil
02 – Camomila
03 – A Terra Firme é Lá
04 – Vulnerável
05 – Eu Vou Conseguir!
06 – Carta pra Você

Ficha técnica: “O Velho e Bom Novo” –  Lado A – Kell Smith

Seja Gentil
(Kell Smith / Bruno Alves)
Produzido por: Bruno Alves
Arranjos: Bruno Alves
Bateria: Cuca Teixeira
Baixo: Fernando Rosa
Guitarra: Marcio Kwen
Violão: Edson Guidetti
Piano / Teclados: Bruno Alves
Programações e Percussão: Bruno Alves
Backing Vocals: Kell Smith / Bruno Alves
Engenheiro de Gravação: Bruno Alves, Nata Sakaki
Assistente de Gravação: Estevão Lyra, Rafa Xeco
Engenheiro de Mixagem: João Milliet
Masterização: João Milliet

Camomila
(Kell Smith)
Produzido por: Bruno Alves
Arranjos: Bruno Alves
Bateria: Cuca Teixeira
Baixo: Fernando Rosa
Guitarra: Marcio kwen
Violão: Edson Guidetti
Piano / Teclados: Bruno Alves
Percussão: Orlando Bolão
Trombone: Bocato
Trompete: Paulinho Viveiro
Sax: Denilson Martins
Engenheiro de Gravação: Bruno Alves, Nata Sakaki
Assistente de Gravação: Estevão Lyra, Rafa Xeco
Engenheiro de Mixagem: Luis Paulo Serafim “LP”
Masterização: João Milliet

A Terra Firme é Lá
(Kell Smith / Bruno Alves)
Produzido por: Bruno Alves
Arranjos: Bruno Alves
Bateria: Cuca Teixeira
Baixo: Marcelo Mariano
Guitarra: Edson Guidetti
Violão: Edson Guidetti
Piano / Teclados: Bruno Alves
Percussão: Orlando Bolão
Engenheiro de Gravação: Bruno Alves, Nata Sakaki
Assistente de Gravação: Estevão Lyra, Rafa Xeco
Engenheiro de Mixagem: Ricardo Mosca
Masterização: João Milliet

Vulnerável
(Kell Smith / Bruno Alves)
Produzido por: Bruno Alves Arranjos: Bruno Alves
Bateria: Cuca Teixeira
Baixo: Marcelo Mariano
Guitarra: Marcio Kwen
Violão: Edson Guidetti
Piano / Teclados: Bruno Alves Percussão: Bruno Alves
Engenheiro de Gravação: Bruno Alves, Silas Godoy
Assistente de Gravação: Estevão Lyra, Rafa Xeco
Engenheiro de Mixagem: Luis Paulo Serafim “LP”
Masterização: Brendan Duffey Audio (Davis, CA)

Eu Vou Conseguir!
(Kell Smith / Bruno Alves)
Produzido por: Bruno Alves
Arranjos: Bruno Alves
Bateria: Thiago Big Rabello
Baixo: Nando Raio
Guitarra: Conrado Goys
Piano / Teclados: Bruno Alves
Engenheiro de Gravação: Bruno Alves, Nata Sakaki
Assistente de Gravação: Estevão Lyra, Rafa Xeco
Engenheiro de Mixagem: Ale Gaiotto
Masterização: João Milliet

Carta Pra Você
(Kell Smith / Bruno Alves)
Produzido por: Bruno Alves Arranjos: Bruno Alves
Bateria: Thiago Big Rabello
Baixo: Nando Raio
Guitarra: Marcio Kwen
Piano / Teclados: Bruno Alves
Programações e Percussão: Bruno  Alves / Juliano Valle
Engenheiro de Gravação: Bruno Alves, Nata Sakaki
Assistente de Gravação: Estevão Lyra, Rafa Xeco
Engenheiro de Mixagem: Luis Paulo Serafim “LP”
Masterização: João Milliet

Foto: Gustavo Arrais/Na Moral Produções

Veja mais artigos
Load More In MÚSICA

Verifique também

Octopus Head destila doom e stoner em lançamento do clipe ‘Noonday Demon’

Clipe conta com a participação do ilusionista Gui Antônio fazendo um escape de camisa de f…