Home MÚSICA 335 critica a violência policial em intenso clipe e single

335 critica a violência policial em intenso clipe e single

0

“Cabo Figueiredo” marca o início de uma nova fase da banda

Após explorar as angústias internas em seu EP de estréia “O Meu Sonho Eu Não Controlo”, a banda 335 explode em uma crítica social poderosa no single “Cabo Figueiredo”. Tratando da crescente violência policial e da aparente normalidade com que as pessoas encaram a situação, a faixa chega a todas as plataformas de música digital e ganha um clipe.

Ouça “Cabo Figueiredo”: http://smarturl.it/CaboFigueiredo335

Na canção, o narrador só se comove com a violência quando chega próximo a ele, atingindo alguém que conhece. “A música representa um olhar, muitas vezes hegemônico, brasileiro para com os inúmeros casos de assassinatos policiais. A ‘grande ironia’ da música vem por conta de uma verbalização de um sentimento tão comungado e cínico. Pois ao mesmo tempo que se percebe o cinismo desse sofrimento histérico e egocêntrico para com a morte do outro, se percebe também que existem lugares onde se pode matar sem consequências”, reflete o vocalista Lucas Rangel.

Com o amadurecimento e a experiência adquirida ao vivo desde o início da banda, Rangel (voz), Lucas Vale (guitarra), Davi Vale (baixo) e Daniel Vale (bateria) começaram a compor suas faixas autorais. Esse caminho de experimentos ganhou corpo no EP “O Meu Sonho Eu Não Controlo” e nessa nova faixa. Após o trabalho de estreia, a 335 lançou também vídeos e singles acústicos para as canções “Alice” e “Meu sonho eu não controlo”.

Já para o vídeo de “Cabo Figueiredo”, a banda buscou trazer uma mistura da energia apresentada nos palcos com uma força caótica que circula no clipe. A concepção do roteiro é de Rodrigo Moura Oliveira e Rodrigo Castaños.

“O clipe foi uma tradução não só da letra, mas da energia que a música trazia para a gente. Cabo Figueiredo traz uma força que, para uma explicação rápida, poderia ser traduzida em indignação, porém não se trata só de indignação, a música não busca um inimigo, um adversário, alguém a quem possamos estabelecer nosso ódio e nos indignarmos. Quando a música coloca o policial que mata, na verdade ela está colocando um representante de nós e não um inimigo malvado. Ela está dizendo que quem está matando somos nós, representados por um policial”, explica Lucas Rangel.

Já disponível em todas as plataformas de música digital, o single teve mixagem, produção musical e masterização de Jorge Guerreiro.

Ficha técnica: 

Voz: Lucas Rangel

Guitarras: Lucas Vale

Baixo: Davi Vale

Bateria: Daniel Vale

Produção Musical / Engenheiro de Som / Mixagem / Masterização: Jorge Guerreiro

Produção / Filmagens / Edição: SAWI Studio, Rodrigo Moura Oliveira e Rodrigo Castaños

Foto de capa: Marcio Senatore

Clipe oficial – “Cabo Figueiredo” – 335

Letra:

Alou 190, com quem eu falo?

É que os policiais mataram mais um rapaz

Só que agora é na minha rua

E é por isso que incomoda, meu bem

É porque hoje é na minha rua

Nas outras ruas que se foda

Alou mãe, não vai acreditar

Mas os policiais acabaram também de me assassinar

Todos juravam que esse carinha era mais um

Mas só que quando eu estacionava era ele que ajudava eu parar

E só porque, e só porque, e só porque foi na minha rua

E só porque, e só porque, e só porque foi na

E só porque, e só porque, e só porque foi na minha rua

Meu bem, meu bem, meu bem

E só porque, e só porque, hoje foi na minha rua

Com três revólveres na mão

Um reserva e dois pra segurar

Cabo Figueiredo não cansava de atirar

Um dos revólveres tinha o nome Laís, Laís

Os outros dois eram os amigos dessa tal de Laís

E só porque, e só porque, e só porque foi na minha rua

E só porque, e só porque, e só porque foi na

E só porque, e só porque, e só porque foi na minha rua

Meu bem, meu bem, meu bem

E só porque, e só porque, hoje foi na minha rua

 

Veja mais artigos
Load More In MÚSICA

Verifique também

Unabomber retrata convulsões sociais em novo clipe

“A Celebração da Peleja entre o Molotov e a Máquina” tem performance explosiva O caos soci…