Home MÚSICA Muñoz mistura ritmos e conceitos no novo disco Nekomata

Muñoz mistura ritmos e conceitos no novo disco Nekomata

0

Percussões, afrobeat e música latina povoam o sincretismo sonoro neste registro lançado pela Abraxas Records e Locomotiva Records

A palavra japonesa Nekomata, que dá nome ao novíssimo quarto disco do Muñoz, é a síntese das mutações e realizações do duo mineiro radicado em Santa Catarina. Tem a ver com rituais, dualismo e resistência, num processo cujo horizonte ainda está em aberto, apesar de uma estrada muito bem delineada: o rock psicodélico de verve stoner dá lugar a uma sonoridade mais ampla, agora mais tribal e com flertes consistentes ao jazz.

Nekomata, lançado pela Abraxas e Locomotiva Records, já está nas plataformas de  streaming:  https://sl.onerpm.com/nekomata.

É experimentalismo o ponto de partida do novo registro dos irmãos os irmãos Mauro e Samuel Fontoura. A percepção do duo é essencial à apresentação de Nekomata. “Nossos outros trabalhos sempre mesclavam blues e rock psicodélico. Esse novo álbum foi composto seguindo um conceito, misturando diferentes ritmos e temas. Mesclamos rock com alguns elementos de afrobeat e música latina, deixando o som mais dançante e repetitivo como um mantra. A ideia foi trazer um aspecto ritualístico em todo o álbum”.

‘Oru’ é um emblemático primeiro single. A percussão, com influência do afrobeat, é que dita as regras na música, que dialoga com elementos e subjetividades do candomblé, além de pitadas de jazz.

Em ‘’Blue Cat And The Eternal Bat’ tem mais referências de sonoridades ritualísticas/primitivas, cuja musicalidade e letra são construídas em cima de ritos do povo Apapocúva-Guaraní, no leste do Paraguai e no norte do Brasil.

Mais uma faixa forte é ‘Nekotama’, talvez a maior expressão do sincretismo sonoro proposto hoje pelo Muñoz.

O sufixo mata, da de Nekomata, significa repetição e transformação – duas palavras que definem o conceito do álbum. Nekomata vem de um conto popular do folclore japonês: uma criatura mitológica que alguns gatos se transformavam, geralmente quando eram maltratados por muitos anos. Sua cauda começava a se dividir lentamente em duas e desenvolvia poderes sobrenaturais, principalmente de necromancia e xamanismo. Além disso, dentro deste universo, os Nekomatas controlavam os mortos, os fazendo dançar e até tocar tambores em forma de ritual.

O Muñoz nasceu em 2012 e desde então não para. Entre EPs e discos lançados, o duo tocou bastante pelo Brasil e acompanharam várias bandas importantes no cenário internacional, como Kadavar (Alemanha), Radio Moscow (EUA), Mars Red Sky (França), Truckfighters (Suécia), Jeremy Irons & Ratgang Malibus (Suécia), The Vintage Caravan (Islândia) e Komatsu (Holanda).

Veja mais artigos
Load More In MÚSICA

Verifique também

Komodo Queens estreia com disco de stoner pesado

Quarteto de São Paulo lança EP homônimo de quatro músicas pela Abraxas Records O Komodo Qu…