Home CULTURA A Arte do Carnaval é tema de exposição

A Arte do Carnaval é tema de exposição

0

A poucos dias do carnaval, o clima é de folia nos centros culturais e museus da Secretaria Municipal de Cultura do Rio de Janeiro. Quatro exposições em cartaz fazem homenagens a carnavalescos, revivem grandes enredos que marcaram história na Sapucaí e exaltam escolas de samba.

No Centro de Artes Calouste Gulbenkian são as cores azul e branco de Nilópolis que colorem as paredes e salas com a mostra  “70 anos Beija-flor de sambas, enredos, memórias e comunidade”. Com patrocínio da Lei Municipal de Incentivo à Cultura, a Lei do ISS, a exposição reúne cerca de 200 itens para contar a trajetória da agremiação e comemorar seu aniversário de 70 anos.

A história da azul e branco da Baixada Fluminense é contada através de cadernos de enredos, troféus, medalhas, fotos e sambas antigos que nunca chegaram a ser gravados. As obras resgatam enredos, personagens e pretendem provocar uma reflexão sobre a importância do carnaval como acontecimento estético, cultural e social.

O Centro Municipal de Arte Hélio Oiticica, na Praça Tiradentes, apresenta duas exposições com a temática carnavalesca: “O rei que bordou o mundo: poéticas carnavalescas na Acadêmicos do Cubango” e “Uma delirante celebração carnavalesca: o legado de Rosa Magalhães”. A primeira faz uma aproximação entre o universo das escolas de samba e a arte, através do enredo dos carnavalescos Leonardo Bora e Gabriel Haddad, que homenageou Bispo do Rosário. Já a segunda celebra o legado e trajetória da carnavalesca  Rosa Magalhães, uma das maiores campeões do Sambódromo carioca e que, este ano, assina o desfile da Portela.

Organizado pelo Projeto Carnavalize, que resgata a história da folia e presta homenagem a diversas personalidades, a exposição mostra como a carnavalesca influenciou uma série de artistas do carnaval e formou uma geração de apaixonados e admiradores.

No Museu de Arte do Rio, a exposição “O Rio do samba: resistência e reinvenção” explora os aspectos sociais, culturais e políticos do mais brasileiro dos ritmos. Os curadores Nei Lopes, Evandro Salles, Clarissa Diniz e Marcelo Campos reuniram cerca de 800 itens para mostrar a história do samba carioca desde o século XIX.

SERVIÇO

“Exposição 70 anos Beija-flor de sambas, enredos, memórias e comunidade”

Centro de Artes Calouste Gulbenkian – Rua Benedito Hipólito, 125, Centro.

Até 22 de março. Entrada Gratuita.

“O rei que bordou o mundo” e “Uma delirante celebração carnavalesca: o legado de Rosa Magalhães”

Centro Municipal de Arte Hélio Oiticica – Rua Luís de Camões, 68, Praça Tiradentes. GRÁTIS.

Até 16 de março. Entrada gratuita.

Foto Diego Mendes

Veja mais artigos
Load More In CULTURA

Verifique também

Luana Génot lançou livro cobrando igualdade racial no mercado de trabalho

O seu primeiro livro foi bastante prestigiado e lotou o debate com a jornalista Flávia Oli…